Festival de Parintins

Currículo dos jurados vão de professores a mestres, com larga experiência na cultura

Dos dez jurados selecionados para o festival, oito são homens e duas mulheres, das regiões Nordeste, Sul e Sudeste do Brasil

Jhonny Lima - de Parintins
online@acritica.com
23/06/2022 às 00:31.
Atualizado em 23/06/2022 às 00:31

(Divulgação)

Professor, mestre e doutor, além de artistas e pesquisadores são os perfis dos dez jurados selecionados para julgar os 21 itens do Festival Folclórico de Parintins de 2022. O grupo está na Ilha da Magia para o espetáculo que acontece nos dias 24, 25 e 26 de junho, na Arena do Bumbódromo.

Eles são de várias regiões do Brasil, como o Nordeste, Sul e Sudeste, sendo oito homens e duas mulheres, com os seguintes currículos:

Daniel Lemos – É pianista há 29 anos e doutor em Música e professor Adjunto do Departamento de Música da Universidade Federal do Maranhão, além de formador no Curso de Música Licenciatura a distância da Universidade Estadual do Maranhão. Como jurado e consultor, atuou para Secretarias de Cultura do Ceará, Pernambuco, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal, avaliando mais de 1,3 mil propostas culturais. 

Pedro Aragão - É etnomusicólogo, bandolinista e professor na Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde atua na graduação – lecionando prática de conjunto e História da Música Popular Brasileira – e na pós-graduação. Seus interesses de pesquisa incluem música popular brasileira, arquivos sonoros, relações entre indústria fonográfica e música popular e culturas populares. 

Victor Neves – É professor efetivo da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), vinculado ao Departamento de Teoria da Arte e Música (DTAM) e ao Programa de Pós-Graduação em Política Social (PPGPS). Graduado em Música/Composição pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre e doutor pela mesma universidade. 

Cassia Rejane Pires Batista – É doutora em Artes Performativas (Lisboa-PT), Mestre em Teatro (UNIRIO); Professora Departamento de Artes Cênicas (UFMA) e Fundadora Abluir Produções Artísticas. Ela é também atriz, diretora de teatro, pesquisadora e Performer.

Dickson Duarte – É artista cênico, diretor artístico e coreógrafo, licenciado em Artes Cênicas, Mestre em Arte/Dança e Doutor em Educação – Práticas e Saberes - pela Universidade Federal de Uberlândia (MG) com estágio doutoral pela Universidade de Cape Town – África do Sul. Dickson é docente do Instituto Federal do Triângulo Mineiro e do Mestrado Profissional da Universidade Federal de Uberlândia. Atua na pesquisa de temáticas artísticas, culturais e antropológicas ligadas as matrizes afro-brasileiras e indígenas. 

Lucio Enrico Vieira Attia – É doutorando em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), graduando em Produção Cultural (Unicsul) e Mestre em Cultura e Territorialidades (UFF). Ele é especialista em História Social e Cultural do Brasil. Ele tem experiência de 13 anos em análise de projetos culturais nas três esferas de governo. 

Roberto Basílio Fialho – É coreografo, performer, bailarino, videomaker, preparador corporal e também professor/pesquisador dos Cursos de Licenciatura em Teatro e Licenciatura em Dança pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Tem formação completa em Balé clássico pelo Método Royal Academy Dance. Roberto é mestre e especialista em dança 

Caio Csermak – É doutor em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo com período na Franz Liszt University of Music Weimar (Alemanha). Atualmente é Professor Substituto de Relações Internacionais da Universidade Estadual da Paraíba. Dentre outros atributos, foi curador assistente da exposição Jamaica, Jamaica! (Sesc/Cité de la Musique) e parecerista de 18 editais de cultura para prefeituras e governos estaduais, como o Funcultura-PE, o FAC-DF e o Retomada-RJ. 

Carlos Carvalho – É graduado pela Escola de Belas Artes da UFRJ, Mestre e Doutor em Artes Visuais – Imagem e Cultura pela UFRJ. Ele é vice coordenador do Núcleo de Estudos de Carnavais e Festas - CNPq/UFRJ. Iniciou no carnaval em 1998, no G.R.E.S. União da Ilha do Governador onde permaneceu até 2004. Em 2005 no G.R.E.S. Unidos de Vila Isabel junto com o carnavalesco Alexandre Louzada e de 2006 a 2009 como seu assistente no G.R.E.S. Beija-Flor de Nilópolis. Em 2010 desenvolveu, junto ao carnavalesco Paulo Barros, fantasias especiais e o figurino para comissão de frente para o enredo É Segredo para o G.R.E.S. Unidos da Tijuca e em 2015 como membro do departamento de carnaval. Atuou também como jurado de enredo e alegorias nos carnavais de Niterói/RJ (2018), nos desfiles da liga LIVRES/RJ (2020 e 2022), Carnaval de Vitória/ES (2022) e para os desfiles do Carnaval de Maquete (2019-2021) e Carnaval Virtual (2021). 

Mariana Estelita Lins da Silva – É professora do departamento de artes visuais da Universidade Federal do Maranhão - UFMA onde atualmente também exerce a função de coordenadora do curso de graduação. Desenvolve projeto de pesquisa sobre a produção de artistas contemporâneos maranhenses, abordando suas propostas conceituais, tematicas, técnicas e diversos aspectos sobre suas linguagens artísticas. Possui doutorado em artes visuais com ênfase em história e crítica de arte pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Ela possui mestrado na mesma área, e graduação em museologia. Ao longo de sua trajetória profissional, além das atividades docentes e de pesquisa, já trabalhou em contato com importantes artistas brasileiros, atuando principalmente em seus ateliês.

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
Portal A Crítica© Copyright 2022Todos direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por