Garimpo em área indígena

Após Funai liberar draga, Foirn aponta fragilidade e falta de atuação dos órgãos

Balsa de extração de ouro e tripulação estavam navegando na Terra Indígena do Médio Rio Negro e foram liberados após apresentação de documento e justificativa de que estavam 'só de passagem'

acritica.com
online@acritica.com
21/09/2022 às 16:20.
Atualizado em 21/09/2022 às 16:23

Embarcação foi flagrada navegando na região do Castanheiro, no Médio Rio Negro (Divulgação)

A Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) criticou a ação que interceptou uma balsa de extração de ouro navegando dentro da Terra Indígena do Médio Rio Negro e depois liberou a embarcação e os ocupantes. A ação, realizada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) em parceria com o Exército Brasileiro, aconteceu no último fim de semana.

A balsa foi liberada após os ocupantes apresentarem documentos e justificarem que estavam por ali apenas de passagem. Segundo o presidente da entidade, Marivelton Baré, a Foirn discorda da ação e a repudia.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (21), a Foirn ressalta que a localização onde a draga foi encontrada é Terra Indígena e que a embarcação e nem seus tripulantes não possuíam autorização legal para estar ali, muito menos garimpar. “(…) nem mesmo a Funai pode autorizar um trabalho desta natureza por ser inconstitucional e estar violando os direitos dos povos indígenas”, frisa.

Conforme a federação, é lamentável saber que, em uma região de faixa de fronteira, uma ação com o custo que teve, denunciada pelas organizações indígenas, “não ter tido a sua conclusão como deveria ser, com a pressão e desintrusão da região”. “Isso mostra a fragilidade e falta de atuação de acordo com os objetivos das instituições de proteção e fiscalização dos territórios indígenas”, completou.

Saiba mais

A balsa com draga de exploração de ouro foi interceptada por uma equipe da Funai e do Exército Brasileiro, no último fim de semana, no rio Negro, nas proximidades da foz do rio Cauburis, na Terra Indígena do Médio Rio Negro, no Amazonas. O trecho fica na metade do trajeto entre Santa Isabel do Rio Negro e São Gabriel da Cachoeira

Três pessoas foram apreendidas e, após prestarem esclarecimentos às polícias Civil (PC) e Federal (PF), foram liberadas. Segundo a coordenadoria regional da Funai, as autoridades analisaram os documentos e o trio foi liberado, pois, de acordo com o proprietário da balsa, eles estavam apenas de passagem.

Equipe da Funai e Exército que fez a abordagem (Divulgação)

Embarcação foi flagrada navegando na região do Castanheiro, no Médio Rio Negro (Divulgação)

Embarcação foi flagrada navegando na região do Castanheiro, no Médio Rio Negro (Divulgação)

Assuntos
Compartilhar
Sobre o Portal A Crítica
No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.
Portal A Crítica - Empresa de Jornais Calderaro LTDA.© Copyright 2022Todos direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por